Image and video hosting by TinyPic

No sertão do CE, 'açude inteligente' não seca e garante água a comunidades

Na comunidade rural cearense de Barra do Bento, a 23 km do centro de Canindé (a 115 km de Fortaleza), os moradores sabem que podem contar com a água que vem do açude porque ele nunca seca, faça chuva ou faça sol. Pelo menos tem sido assim desde que ele foi construído, há cinco anos.

A reportagem do UOL percorreu mais de mil quilômetros entre os Estados doCeará, do Piauí e de Pernambuco em busca de exemplos de como é possível driblar a escassez de água. As experiências podem servir de lição para a região Sudeste, que enfrenta uma grave crise de falta de água desde o começo de 2014.

Os açudes fazem parte da paisagem do interior do Nordeste. Não é preciso andar muito para se deparar com essas construções simples usadas para armazenar água da chuva. Na maioria das vezes, são grandes buracos cavados em áreas mais baixas. Por causa da baixa precipitação, passam grande parte do ano secos ou apenas com lama.

Mas o açude que abastece as 38 famílias de Barra do Bento tem estado cheio desde que foi feito. A explicação está em suas características. Ele é mais fundo (tem 15 metros de profundidade) e ocupa uma área menor (cerca de 500 metros de extensão) que os açudes comuns. Além disso, fica entre duas serras, o que o "livra" do sol, e consequentemente da evaporação, durante algumas horas do dia.

O engenheiro agrônomo José Maria Pimenta, nascido e criado no sertão cearense, batizou a ideia de "açude inteligente". Segundo ele, é preciso de apenas 300 milímetros de chuva para enchê-lo.

Ele conta que idealizou o projeto depois de analisar os índices pluviométricos do Ceará ao longo de 120 anos e constatar que choveu menos de 300 milímetros em apenas quatro anos. "Então, a probabilidade de um açude inteligente verter, sangrar, encher todo ano é de 97%", diz.

"Eu chorei na primeira vez da sangria dele [açude]. Foi em 31 de janeiro de 2008. Eu chorei mais o meu filho", lembra o agricultor Raimundo Rodrigo de Souza, 47.

A dona de casa Raimunda Pinto, 36, conta que, antes do açude, era preciso andar entre três e cinco quilômetros para pegar água, que era levada para casa em recipientes carregados por jumentos. "Hoje nós temos [água] para repartir com os que não têm", comemora.

À frente da Ematerce (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará) durante quase oito anos, Pimenta viabilizou a construção de 40 açudes inteligentes em quatro cidades cearenses --Canindé, Madalena, Quixeramobim e Piquet Carneiro. Esse tipo de açude leva cerca de dois meses para ficar pronto e custa cerca de R$ 70 mil.

A água do açude é levada por meio de bombas até as comunidades. Antes de chegar às torneiras dos moradores, ela passa por um processo de tratamento e depois é usada para beber, cozinhar, tomar banho, lavar roupa, além do cultivo de frutas e verduras e da criação de animais.

Fonte:http://noticias.uol.com.br/
Postado por: Nando
Share on Google Plus

About Levitas Newss