Image and video hosting by TinyPic

Preso suspeito de ataques a ônibus da Capital, que seria ligado a PCC

Cinco ataques a ônibus foram registrados na Grande Fortaleza ontem. Homem preso é apontado como um dos responsáveis por ordenar as ações junto com suspeitos que estão presos. Grupo teria envolvimento com o PCC.

Chegou a oito o número de ônibus atacados em Fortaleza neste ano. Só ontem, foram registrados quatro incêndios e uma tentativa. O primeiro caso aconteceu no bairro Canindezinho, na linha Jardim Fluminense (346), no início da tarde. Em seguida, a Polícia divulgou a prisão de homem apontado como responsável pelo comando das ações registradas neste ano. Francinei Nobre da Silva, de 42 anos, conhecido como Gangão, foi detido em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza, pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF).


Após a prisão, três outros incêndios e uma tentativa de ataque a coletivo ainda foram registrados. A Polícia investiga se as ações ocorreram em retaliação à prisão de Francinei, que seria um dos chefes do tráfico de drogas no Bom Jardim e teria envolvimento com o Primeiro Comando da Capital (PCC), facção criminosa criada em São Paulo. As informações foram divulgadas pelo titular da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), Delci Teixeira, durante entrevista coletiva à tarde.


Conforme o secretário, Francinei tem passagens por homicídio, roubo, tráfico de drogas, receptação, dois portes ilegais de arma de fogo, furtos, formação de quadrilha (seis procedimentos) e associação para o tráfico. Com o suspeito foi apreendido um fuzil AK-47.




Ônibus


Segundo o presidente do Sindicato de Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Ceará (Sintro-CE), Domingo Neto, após a ação contra ônibus no Canindezinho, o segundo caso ontem ocorreu no bairro Aracapé, por volta das 16h30min, e o terceiro foi na linha Conjunto Timbó, em Maracanaú. Além disso, um ônibus da linha Parangaba/Mucuripe foi incendiado no bairro Vicente Pinzón à noite e outro veículo sofreu ataque no mesmo bairro, mas não foi incendiado. Com as ações, o Sintro determinou a retirada de circulação dos ônibus nas linhas com ataques.




No começo de fevereiro, coletivo da linha Jardim Jatobá (337) foi incendiado em Fortaleza. No fim daquele mês, homens atearam fogo em outro coletivo no Henrique Jorge. O grupo deixou um bilhete com o motorista pedindo melhoras para o sistema penitenciário. E, no último dia 10, veículo foi incendiado no bairro Canindezinho.




Presídios


O gestor da SSPDS disse que a Coordenadoria de Inteligência (Coin) trabalha para identificar as pessoas que cumprem as determinações de ataques a ônibus da Capital. Ainda existe a informação de que Francinei teria ligação com dois internos do sistema penitenciário. Os presidiários ordenariam os ataques e Francinei articularia pessoas responsáveis pela execução. O secretário ressaltou ainda que deve criar uma parceria com a Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus) na tentativa de evitar que os detentos continuem ordenando os crimes.


Francinei foi detido em 2014, também pela DRF, com três quilos de cocaína e mais de R$ 3 mil em espécie. Ele foi autuado por tráfico de drogas, mas teve a prisão relaxada pelo juiz da 1ª Vara de Delitos de Tráfico.


Francinei comandaria o tráfico no Bom Jardim, bairro que integra a Área Integrada de Segurança (AIS) 2, que tem um dos maiores índices de homicídios do Ceará. A área trocou de comando recentemente e, a partir disso, uma série de prisões e apreensões de drogas foram realizadas nos bairros Bom Jardim, Conjunto Ceará e Granja Lisboa. (colaborou Rogério Gomes)

Fonte: http://www.opovo.com.br/
Share on Google Plus

About Levitas Newss