Image and video hosting by TinyPic

Ceará tem 4ª pior cobertura vacinal contra gripe, diz Ministério da Saúde


O Ceará tem a quarta menor cobertura vacinal contra a gripe, segundo informações do Ministério da Saúde divulgada nesta segunda-feira (18). A campanha nacional contra a doença foi iniciada há em uma semana. Segundo o ministério, 19,49% do público-alvo foi imunizado no Ceará; o estado fica à frente apenas do Acre (18,44%), Roraima (13,02%) e Piauí (17,37%). O Rio Grande do Sul tem a melhor cobertura até segunda-feira, com 48,52% do público-alvo vacinado.
Estado
Cobetura vacinal (%)
Rondônia27,99
Acre18,44
Amazonas42,98
Roraima13,02
Pará23,35
Amapá30,54
Tocantins35,79
Maranhão21,11
Piauí17m27
Ceará19,49
Rio Grande do Norte27,37
Paraíba27,38
Pernambuco25,43
Alagoas30,34
Sergipe30,62
Bahia22,69
Minas Gerais25,15
Espírito Santo35,75
Rio de Janeiro20,48
São Paulo35,06
Paraná44,19
Santa Catarina41,23
Rio Grande do Sul48,52
Mato Grosso do Sul23,36
Mato Grosso20,91
Goiás26,08
Distrito Federal26,22
Fonte: Ministério da Saúde
 A Campanha de Vacinação contra Gripe termina na próxima sexta-feira (22). Balanço do Ministério da Saúde mostra que até o dia 15 deste mês foram vacinados 14,5 milhões de brasileiros. O número representa 29,24% do público-alvo, formado por 49,7 milhões de pessoas mais vulneráveis para complicações da gripe. A meta é vacinar 80% do público.
Mais de 54 milhões de doses da vacina estão sendo disponibilizadas aos estados e municípios para garantir a proteção de cerca de 49,7 milhões de pessoas. A vacina, disponibilizada pelo Ministério da Saúde, protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para este ano (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). O período de maior circulação da gripe vai de final de maio a agosto.
O ministro da Saúde, Arthur Chioro, reforça a importância de se vacinar no período de realização da campanha. “Agora é a hora de se vacinar e se proteger no inverno. Após a vacinação, o corpo leva duas a três semanas para gerar os anticorpos necessários para a proteção”, alerta. A vacina é segura e uma das medidas mais eficazes de prevenção a complicações e casos graves de gripe. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.
Dentre os grupos prioritários à vacinação, as puérperas apresentam, até o momento, a maior cobertura, com 143.169 doses aplicadas, o que representa 40% das mulheres com 45 dias após o parto. Em seguida estão os idosos, com 6,7 milhões de vacinados (32,1%); 3,78 milhões de crianças de seis meses a menores de cinco anos foram vacinadas (29,8%); nas gestantes foram aplicadas 599,9 mil doses (27,56%); e os trabalhadores da saúde, com 935,4 mil doses aplicadas (22,9%). Com 91,8 mil doses aplicadas, 15,8% dos indígenas já foram vacinados. Como a vacinação deste grupo é realizada em áreas remotas, a atualização dos dados segue outra dinâmica. Também foram aplicadas 2,2 milhões de doses nos grupos de pessoas com comorbidade, população privada de liberdade e trabalhadores do sistema prisional.
Público-alvo
Desde 4 de maio, a 17ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe, que tem como slogan “Contra a gripe, seu escudo é a vacinação, tem circulado para reforçar o conceito de proteção. A vacina está disponível para crianças de seis meses a menores de cinco anos; pessoas com 60 anos ou mais; trabalhadores de saúde; povos indígenas; gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto); população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional e pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais.
Para a campanha, estão sendo mobilizados em todo o país 240 mil profissionais, que atuarão em 65 mil postos de vacinação e contarão com o apoio de 27 mil veículos (terrestre, marítimo e fluvial). É importante levar o cartão de vacinação e o documento de identificação para receber a dose. As pessoas com doenças crônicas ou com outras condições clínicas especiais também precisam apresentar prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina.


Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receberem a dose, sem necessidade de prescrição médica.
Share on Google Plus

About Levitas Newss