Image and video hosting by TinyPic

Portas Abertas classifica 2015 como “o ano do medo” e relata aumento da violência contra cristãos


Ser cristão está mais difícil e perigoso. Essa é a constatação da Missão Portas Abertas, que vem divulgando relatórios sobre a perseguição religiosa a cristãos em todo o mundo.
A dificuldade em exercer a fé e expressá-la aumentou em todos os continentes, e trouxe maiores preocupações às autoridades, que veem a possibilidade de um conflito generalizado em diversos países.
“Ao analisar os números e fatos da perseguição na Classificação da Perseguição Religiosa 2016, concluímos uma coisa: a perseguição aumentou na maior parte dos países do mundo. E não era de se esperar menos do que isso. O extremismo religioso de grupos radicais islâmicos, governos cada vez mais inseridos na cultura e religião de seus povos, autoridades que exercem pouco poder sobre maiorias étnicas (fazendo vista grossa à violência praticada contra cristãos), barões do narcotráfico e guerrilhas unidas à governos omissos da América Latina e países distantes e fechados em que, muitas vezes, as notícias mal chegam ao mundo ocidental, representam o que hoje chamamos de países hostis ao Evangelho ou países em que para o cristão, seguir a Jesus, pode custar a vida”, resumiu um comunicado da Portas Abertas.
A lista de Classificação da Perseguição Religiosa é organizada pela missão anualmente, apontando os 50 piores países para um cristão viver. Os dez piores são Coreia do Norte, Iraque, Eritreia, Afeganistão, Síria, Paquistão, Somália, Sudão, Irã e Líbia.
“Destacamos que o regime mais opressivo da contemporaneidade, a Coreia do Norte, desponta mais uma vez, e pelo 14º ano consecutivo, como o país que em que o cristão mais enfrenta a perseguição religiosa”, observou o relatório.
2015 foi classificado pela organização como “o ano do medo”, pois “em todo o mundo mais de 7 mil cristãos foram mortos por razões relacionadas à fé […] [o que] representa um aumento de quase 3 mil em comparação aos números do período anterior”. A Portas Abertas frisa que esses dados excluem a Coreia do Norte e parte da Síria e do Iraque, onde não existem registros precisos.
Ainda segundo o relatório da missão, “as estatísticas também mostram que mais de 2.400 igrejas foram atacadas ou destruídas, o dobro em relação ao ano anterior”.
“O objetivo da pesquisa que gera a Classificação da Perseguição Religiosa é apoiar cristãos por detrás dos números. A Classificação é publicada anualmente como uma ferramenta para aumentar a conscientização do cristão livre, e para que igrejas de todo o mundo orem, apoiem, colaborem e participem da causa da Igreja Perseguida e dos cristãos que estão na linha de frente da perseguição”, explicou o comunicado.
Lisa Pearce, CEO da Portas Abertas no Reino Unido, afirmou durante o lançamento da lista na Casa dos Comuns, no Parlamento Britânico, que é preciso agir para frear essa violência: “Como uma voz fundamental no seio da comunidade internacional e um fornecedor generoso da ajuda a um certo número de países na Lista de Perseguição Religiosa para 2016, exorto o nosso governo a fazer todo o possível dentro de suas esferas de influência para afetar o que acontece a seguir. Nós não vamos mais recuperar este tempo perdido”, lamentou.
Share on Google Plus

About Levitas Newss